domingo, 26 de outubro de 2008

Intervalo

Vou ficar pelo menos 10 dias sem escrever. Vou para Londres, andar até Liverpool. Às vezes fico ansiosa e às vezes na mesma. Mas vou falar, falar muito para o inglês desenferrujar. São 10 dias em que vou para longe da minha casa, de vocês, de ti e sobretudo de mim. Porque lá fora nunca consegues ser tu. És uma novidade a ver novidades. Gostava de não voltar na mesma. Estou sempre a dizer que as coisas não acontecem por acaso. E, não sei porquê, esta viagem soa-me a acidente de percurso. Não estava planeada e desejava. E também estou sempre a dizer que tudo o que não é planead0, é o melhor (digo coisas demais, sou muito chata eheh). Hoje, aconteceu uma coisa gira. Quando tudo conduzia a uma tarde calma a enfiar coisas p'ra mala, no regresso de uma sumo rápido na praia, no meio da 2ºcircular, reparámos que ganhámos uma hora. Há que aproveitar a hora. A histeria instalou-se: o que fazer? No meio de comes e bebes e comes, conseguimos fazer com que fosse a hora mais longa de todas. Aquela hora acabou às 6. Adoro viver devagarinho. Bom, sendo assim, vou a Londres ver a vidinha a acontecer por lá...

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Vera nunca mais saio ctg à noite...

São as noites Mágicas. Aquelas que acontecem de vez em quando e, normalmente, começam a par. Quando menos se espera lá vamos nós saber melhor como é que é. Uma coisa é certa, sais comigo e safas-te. Não estou a falar de mim, estou a falar de ti. As noites mágicas é uma cena que só acontece aos outros. A mim não acontece. Nestas noites, só os feios falam comigo. Hoje disse um coisa e vim a correr escrever para não me esquecer. Se saires comigo acabas sempre na horizontal...nem que seja sozinho! ahahah É a vidinha a acontecer...aos outros..nas noites mágicas...

terça-feira, 21 de outubro de 2008

I want you but I don't need you

Pelo meio da música do Ne-yo, ouve-se "Kinda woman that want you but don't need you". É assim que ela é. É por isso que ele a adora. A música chama-se Miss Independent. Diz tudo. E, percebi também que tenho apoiado o meu bem estar nos outros e, por isso, a coisa não tem andado, ponto. Tenho que ser uma Miss Independent, não na carteira mas por trás da mama esquerda. Não lhe queria chamar "Felicidade" porque soa a brega/correntes de Hi5/pãozinho-sem-sal-style, por isso vou chamá-la de sede. Sede de andar por cá. Tenho que conseguir equilibrá-la sozinha e se a periferia quiser fazer parte, óptimo. Mas se procurar isso nos outros, pouf! Posso ter momentos bons mas o vazio está cá na mesma. Hoje dei por mim a pensar de como preciso de tirar férias de pessoas. Acho que estou cansada de falar. Os meu olhos estão cansados de olhar para todas elas e pensar coisas sobre elas. Andam gordos por isso. E cada vez mais, gosto do sossego do final da tarde. Tenho tempo para falar comigo, sem abrir a boca e cansar os olhos. É tão bom. Consigo definir bem as coisas que aumentam a sede de andar por cá. Vou tentar convidar a Miss Independent a ver a vidinha a acontecer, e depois, depois, falamos...

domingo, 19 de outubro de 2008

E cenas...

Se pudesse pontuar este fim de semana, dava-lhe 0 pelo divertimento e 19 pelos instantes promissores. Muito se falou e nada se disse. Falei e ri-me porque teve de ser. Houve um que subiu para o banco e abanou o rabo à minha frente. Outra que disse que estava louca de amor. Outro que me quis embebedar e eu não conseguiu. Outro que me perguntou qual o carro que queria. Outra que fumou ganza à minha porta e fez a minha mãe perguntar como é que eu sabia que o cheiro é ganza. Resposta: Eu saio à noite. Não estou a fazer dieta de álcool como a Joana, estou só a dar um tempo. O que gostei mais de ouvir foi: "temos de combinar um cafézinho" seguido de um riso maroto. Quem me dera que tivesse dito isto há 2 anos atrás. Mas é bom pensar que não é preciso dizer "Ó tempo volta para trás", o tempo pode andar, e rápido, que é para o cafézinho não arrefecer. É a vidinha a acontecer...

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Morrer lentamente

Li e gostei de saber que não estou a morrer lentamente...
Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece. Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru. Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos. Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos. Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo. Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar. Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante. Morre lentamente, quem abandona um projecto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade. (Pablo de Neruda)

domingo, 5 de outubro de 2008

Coisa(s) boa(s)..

Tou bem, estou muito bem. Tenho o corpo agitado e a alma calma. Tornei-me numa bailaholic. Só quero dançar. No espaço de uma semana fui da salsa, ao pop style, passando pelo yoga e fui até à dança do ventre. A última ganhou, foi a que conquistou a minha anca. Durante os próximos tempos, vou endurecer nas máquinas e dominar as minhas curvas nas aulas. Gosto! Sobretudo porque, saio de lá e, sinto-me a mulher mais rija do mundo. Às vezes também me sinto bonita se as olheiras não forem muito grandes. Disseram-me hoje: O que gosto mais em ti são as pestanas, gosto de mulheres que tratam das pestanas. Pergunto eu: como se trata das pestanas? Vaselina?Acho que queria dizer sobrancelhas. Ahah. Até agora o elogio mais castiço que me fizeram foi: tens os olhos gordos! Sinto que vem por aí coisas boas. Hoje andei a limpar a casa para as receber. Nunca se sabe se as coisas boas batem literalmente à porta. É a vidinha a acontecer...e eu a ver...com os meus olhos gordos..