quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Novo ano

Está a acabar. Deu muito trabalho este ano. Começou muito mal, a passagem d'ano foi das mais tristes e o ano foi dos melhores. Estou a pensar cortar os pulso nesta, pode ser que corra ainda melhor ahahahha

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Ui

Nota-se que estamos no frio. Nota-se tanto. Só queremos andar agarrados, nem que seja ao bolso de alguém, mais ou menos conhecido, desde que seja quente, muito quente. Até o bairro fecha às 2h e não dá para aquecer o suficiente. Tens de mandar calar o mundo porque já fechou. Psiuuuu.. já fechou (com dedo na boca eheheh). No Inverno, ou arranjas um cão ou alguém que te aqueça os pés. Sozinho é complicado ultrapassar isto. Prova disto é que já começo a contar pelos dedos as mensagens a dizer "tenho saudades tuas". Não são saudades, é o frio. É a vidinha a acontecer com saudades que não me apetece ter..quem ficou para trás...ficou...pouf..

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Cenas

Li isto e está-me na mona: Tens de ser fácil de lidar mas difícil de alcançar. 

E sim, a vidinha tem acontecido muito bem...

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Que m... de vida

Diz-se que um azar nunca vem só. Se ele tivesse mais amigos, mais amigos tinham aparecido lá por casa. Espetei-me de carro à saída das Amoreiras. Super-boo salvou-me. Consequência: viagem até ao Seixal na Fertagus. Buscar ovo cozido, o meu antigo carro, comercial, que me dá ar de leiteira. Trouxe-o para a rádio e não só fui multada como bloqueada. O meu esquentador começou a deitar água. O meu pai arranjou. Com o meu azar and friends, cheguei a pensar que me ia pedir dinheiro, lol. Esqueci-me das chaves dentro de casa. Viagem até ao Seixal para buscar outra. Deus está no Seixal. Deus chama-se Nuno Fernandes e é o meu irmão. O meu portátil morreu. Deus não tem obrigação de me dar um portátil mas o Pai Natal já se mancava. Seja ele quem for.

É a vidinha a acontecer com a ajuda de Deus, Super-Boo, e do meu Pai.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Tá frio

Visto a camisola todos os dias e hoje tentaram-me arrancá-la, logo no dia mais frio. No que custou mais. Não se faz. Perguntei muitas coisas a mim mesma e ouvi respostas que já desconfiava. É a vidinha a acontecer..ainda de pingo no nariz..

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

3 em 1

Ando a passear com um pingo no nariz. Já cá anda há imensos dias. Mas faço tanta coisa com ele. Ando de bicicleta, estou a escrever uma história, trabalho com ele, e peço desculpa às pessoas por trabalhar com ele. Acho que falam mais comigo porque têm pena. Coitadita, o pingo no nariz está ali, dá-lhe um brilho aos olhos, mas um brilho de verniz que estala com um ganda espirro. Descobri que gosto de ti. Espirrei ao teu lado e o meu pingo saiu. Se não gostasse pensava: que merda de vida. Mas, pelo contrário, gritei socorro! Gritar socorro, é gostar. ahahah
Sinto-me miúda ao pé de muita gente. Depois, sinto-me múda ao pé de muita gente e gosto. Pensei nisto hj. Tive numa livraria. Gente boa, gente que sabe do que fala e do que se lê. São uns miúdos com mais palavras dos livros. Metade da livraria era técnica, livros de álgebra e matemática até aos 200 euros. Gosto das pessoas velhas que são miúdas, no bom sentido. O Dono era duro por fora e um doce por dentro. Quando entrei, quis mostrar quem manda. Depois, depois derreteu-se. Disse-lhe para nos sentarmos. Comia-lhe as palavras. Senhor de 50 e muitos, talvez. Disse-lhe para ser simples. A inteligência dele adaptou-se a mim. Quando saí, fez aquele riso do volta mais vezes. Acho que percebeu que gostei dele, lembrou-me muita gente. Contou-me histórias sem eu perguntar. Pensei..quem conta o que quer, sem eu perguntar ou obrigar, é meu amigo. Também gostei da Lena, ela sabe mas não tem tempo para ser tão interessante como o Dono. Depois, sinto-me miúda ao pé de muita gente que não gosto. Pessoas grandes por fora. Pequenas por dentro. Conheço muitas. Muitas que usam a postura o olhar ameaçador para desarmarem o adversário. Gosto que me passem pelo caminho. Gozo por dentro.
Há ouvintes que escrevem a dizer que se riem sozinhos no carro. É daqueles mails que eu apago sem medos porque acho que é uma forma simpática de dizer que temos alguma piada. Não mexe comigo. Eu rio-me muito. Rio-me por dentro. Rio-me dos outros. Rio-me por coisas parvas. Rio-me de mim. Nunca sozinha. Até hoje... a Sexy thing estava na Paprika. Disse-lhe: embebedava-te e levava-te para o bosque. A joana acrescenta..sem guarda florestal..neste momento estou a rir sozinha...sem contar com as outras todas. É a vidinha a acontecer com o pingo no nariz...a rir também..

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Responde a cantar

A porquita respondeu ao desafio da preguiçosa. A Desnivelada gostou muito. Também quer. O desafio é o seguinte. Várias Perguntas. As respostas têm que ser nomes de músicas de uma banda ou artista à tua escolha. Fica aqui o desafio. Desafia-te também. Escolhi os The Gift.
1) És homem ou mulher? Fácil de entender

2) Descreve-te: Ok! Do you want something simple?

3) O que as pessoas acham de ti? Nice and sweet

4) Como descreves o teu último relacionamento: Love boat

5) Descreve o estado actual da tua relação: Driving you slow

6) Onde querias estar agora? Love boat

7) O que pensas a respeito do amor? Truth

8) Como é a tua vida? Question of love

9) O que pedirias se pudesses ter só um desejo? Five minutes of everything

10) Escreve uma frase sábia: O grande homem é aquele que não perdeu a candura de sua infância

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Desnivelada

Ando desnivelada. Desnivelada na cabeça e no coração.
Como tu dizes, ainda não é só bom. Anda tudo a atropelar-se cá dentro. A Joana está pior que eu. Não se cala. Normalmente, eu é que sou assim. Agora, ela é muito mais. Dá-me vontade de lhe bater na boca. Pelo que diz e pela franja. Dá-me vontade de bater nas pessoas com franja. E também naquelas que são engraçadas. Depois, depois, têm que apanhar. Ontem disse, e vou parafrasear-me, que o meu único desejo é que esta sede louca de emoção e viver coisas não passe. De não se ter nada, nem certezas, nem garantias e rir-se por isso. Que os nossos assuntos se atropelem pela quantidade de coisas pra dizer e que nos ajudem a ter vontade de sair da cama de manhã, por mais cedo que ela comece. A Miss Independent wannabe anda agitada na mona e preguiçosa no corpo. Não me apetece ginásio. Só me apetece comer...e beber. Comer com amigos, comer histórias p'ra rir, comer-te e comer as tuas cenouras bebés. Está tudo a acontecer aos trambolhões. Nem consigo seguir uma linha de raciocínio a escrever. Vou trabalhar na Passagem d'ano. São Pedro de Moel. Duas Pitas. Duas pistas. Uma para mim e outra para a Nitinha. Vamos ter formação intensiva até lá. Vai ser a segunda vez. O Chefe quer começar o ano com elas e depois eles, eles só põem a mão em 2009, lá pr'a uma. Quero ficar com a pista do WIlson. A dos pretos. Quero passar o Ne-yo. Também estou louca com 2009. Andorra confirmada. Vou encomendar as calças de Zebra. Um dos do ano passado mandou-me um mail para saber de mim. Lembrei-me que não gosto de ensinar. Gosto de aprender e de ter um abraço de homem e não um abraço de quem procura a segurança que não tenho. Tive um namorado de Verão, sim tive. Um namorado que não me namorava, brincava comigo. Era isso que eu procurava. Aquela parte na vertical. Era essa parte que faltava. Aquele olhar sincero e puro que me enchia a alma. Foi por isso. Só por isso..
É a vidinha a acontecer com sabor a novo...

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Pouf

Pouf. Acabou.

Vai à janela, olha para as estrelas e para o infinito.
Vais ver como te sentes insignificante.
Isso perde a importância..

Quando menos esperares, outro príncipe aparece.

Gostei!

Um homem vai à vidente. Chega e bate à porta. Do outro lado ela pergunta:
- Quem é?
O homem responde:
- Hum, já estamos a começar mal !

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Encontros imediatos

Ele:
... é no meio destes que descobrimos que temos assim uns vizinhos suspeitos, ilustres e perigosos (perigosos?! perigosamente divertidos pela sua boa disposição talvez)...É ainda um mistério CSI de onde é q veio a suspeita, mas hoje, depois duma intensa e extensa, exaustiva e extasiante investigação (que durou praí 2 minutos inteirinhos) chegou-se à sua evidente confirmação.Um dia destes vai-me faltar o sal!.. ;)Beijinhos
Eu:
Ahahhaha. Se bem me lembro, o único encontro que tive foi no elevador. Acho que se está a referir a esse. Não me lembro bem mas sei que tinha muito sono. ahahha Normalmente as viagens de cima para baixo e de baixo para cima são a um. Tenho horários demasiado matinais que não me fazem conhecer as pessoas que moram no 3ºandar :) De qualquer forma foi um prazer. Já agora o que andou a fazer durante os 2 minutos? Despeço-me com uma grande vontade de rir
Ele:
Pois é menina Verinha Mágica, é mesmo esse menino. O próprio! Hehehehe...
O prazer é recíproco (obviamente) embora extremamente fugaz.
Durante os 2 minutos da busca, 20 segundos foi para abrir o blog... os outros 100 foram o tico e o teco a abrir o champanhe!
Passo a explicar. A suspeita resume-se a algo mto simples. Como menino atento (que tenho a presunção que sou) reparei há tempos que a minha vizinha de estacionamento da frente andava num Fiesta dos novos. Primeira e óbvia conclusão foi: a Verinha Mágica (longe ainda de eu saber quem ela era) trabalha na Ford!!! Loooooool... O carro é bem porreiro pá!..
Passados uns tempos, voltou a antiga viatura ao local. Sem prestar demasiada atenção aos meus efeverscentes e irrequietos "tico e teco" (que são os dois neuronios q se ocupam dessas estupidezes), contextualizei cronologicamente o final dum passatempo qualquer em que ofereciam o Fiesta cuja rodagem teria sido efectuada pela ilustre Verinha.
Aquele sorriso que viste no elevador era o: "mmm, a tua cara não me é estranha... onde é q eu já te vi?... deve ter sido na rádio!"
E... voilà! Looool...
Achas que me devo candidatar à polícia judiciária? :)
Aguardamos novos reencontros...
Outro beijinho
É a vidinha a acontecer..mesmo por cima da pinipon..

Cenas

A Joana diz que vai para Londres. Eu disse-lhe que hoje à noite ia à Lua. eheheh

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Fartou-se de acontecer em Londres/Liverpool

É assim que tenho andado nas últimas semanas. De boca aberta. A vidinha está a acontecer às cambalhotas. Pedi emoção, aqui está ela, a chegar em todas as direcções. A Miss Independent wannabe foi lá fora ver como é que é. Andou a pé de Londres a Liverpool para ver os EMAS. Voltou melhor, mais fresca, mais paciente e com muitas saudades dos que deixou cá e deixou lá. Apaixonei-me por um turco durante 2 semanas. Não foi à primeira vista, tentou-me dar a volta em 2 minutos. "Queres ir cmg ao quarto buscar o crachá?", não gostei. Mas depois afastei-me, ele afastou-se e eu aproximei-me. Foi giro. Namorámos só com o olhar. De manhã, a caminhar, às refeições e à porta do quarto. Na prática, portei-me bem. Já passou. Fui para Londres com pessoal mais pequeno por fora mas muito grande por dentro, em parvoíce, em companheirismo, em asneiras, em saber viver. Vivem tão bem eles, é aquela sede do novo que eu ainda tenho e, se calhar, era suposto já não ter. Gostei! "Pareces um deles", disseram-me. Gostei! Os que lá ficaram ensinaram-me a rir em Italiano, a dormir no bus em Inglês, a cantar em Alemão. Gostei de provar todas as línguas e saber que as boas experiências, nesta altura do campeonato, têm que passar pelo aeroporto. Cá, passa-se pouco. Eu ensinei asneiras em português aos da Letónia. "Ó Pito, como estás?", gritava um deles no meio do bosque. ahahah Festejei como gente grande o Halloween, com muitos saltos ao som de "Saturday night". Só não fui ao chão porque um Inglês me apanhou a tempo e gritou: Jesus Christ! E o que eu ri..ri porque alguém se entalou na lama até ao joelho. Ri porque a Marta estava sem bateria. Ri porque adoro homens. Ri porque muitos deles me desalinham os chakras. ahaha. Ri porque snifei tabaco de menta e quase apanhei uma pneumonia. Ri porque "todas as casas em londres são perfeitas, obviamente que lá dentro, há violência doméstica, mas tudo parece perfeito". Ri porque à noite, o Bus tinha mais álcool que oxigénio. Ri porque o champanhe me fez rir. E o Martini também. Ri porque o Filipe come dois lollipops e pensa que é homem. Ri porque ninguém percebe porque grito Komékié. Nem eu! ahaha. Ri porque a que leva uma tampa, não só come a tampa como mais três. Ri porque andei muito mal vestida mas, a minha alma, andou sempre de salto alto. Ri porque comi muffins todos os dias. Ri porque o o turco Pussy passou a correr no meio quarto a meio da noite. Ri porque me apeteceu e não, porque era suposto. Jantei no Castelo, vi a Veneza de Londres, troquei maças por muffins com desconhecidos. Jogámos bowling ao monte. Visitámos Camden Market. Arrepiei-me com a Beyoncé nos EMAS e com o champanhe da afterparty. Todos os dias me sentava em cima da mala para a fechar. Todos os dias o desafio de uma casa de banho para muitos. Todos os dias muita coisa para comprar. Tenho nos pés os meus Nike de Birmingham e na sapateira 3 pares de Liverpool. Pretos, vermelhos e prateados. Todos de salto alto, old school. Mesmo como gosto.
Voltei na sexta e a mala no sábado. Por um dia fiquei nos dois sítios, eu cá e metade de mim, o meu troley, lá. Foi desesperante. Quando vi a minha mala, apeteceu-me chorar. Acho que voltei mais maricas. Saí pelas chegadas e agradeci a todos, baixando a cabeça e levantando os braços. A minha metade tinha chegado e estava toda cá. Os meus pais riram de vergonha. Mas eu estava feliz, a vidinha aconteceu muito lá fora. Cá dentro, pode ser que as saudades façam acontecer. A distância, a loucura, as pessoas, as emoções levam-nos para longe mas também nos colocam perto…É a vidinha a acontecer..de boca aberta..

domingo, 26 de outubro de 2008

Intervalo

Vou ficar pelo menos 10 dias sem escrever. Vou para Londres, andar até Liverpool. Às vezes fico ansiosa e às vezes na mesma. Mas vou falar, falar muito para o inglês desenferrujar. São 10 dias em que vou para longe da minha casa, de vocês, de ti e sobretudo de mim. Porque lá fora nunca consegues ser tu. És uma novidade a ver novidades. Gostava de não voltar na mesma. Estou sempre a dizer que as coisas não acontecem por acaso. E, não sei porquê, esta viagem soa-me a acidente de percurso. Não estava planeada e desejava. E também estou sempre a dizer que tudo o que não é planead0, é o melhor (digo coisas demais, sou muito chata eheh). Hoje, aconteceu uma coisa gira. Quando tudo conduzia a uma tarde calma a enfiar coisas p'ra mala, no regresso de uma sumo rápido na praia, no meio da 2ºcircular, reparámos que ganhámos uma hora. Há que aproveitar a hora. A histeria instalou-se: o que fazer? No meio de comes e bebes e comes, conseguimos fazer com que fosse a hora mais longa de todas. Aquela hora acabou às 6. Adoro viver devagarinho. Bom, sendo assim, vou a Londres ver a vidinha a acontecer por lá...

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Vera nunca mais saio ctg à noite...

São as noites Mágicas. Aquelas que acontecem de vez em quando e, normalmente, começam a par. Quando menos se espera lá vamos nós saber melhor como é que é. Uma coisa é certa, sais comigo e safas-te. Não estou a falar de mim, estou a falar de ti. As noites mágicas é uma cena que só acontece aos outros. A mim não acontece. Nestas noites, só os feios falam comigo. Hoje disse um coisa e vim a correr escrever para não me esquecer. Se saires comigo acabas sempre na horizontal...nem que seja sozinho! ahahah É a vidinha a acontecer...aos outros..nas noites mágicas...

terça-feira, 21 de outubro de 2008

I want you but I don't need you

Pelo meio da música do Ne-yo, ouve-se "Kinda woman that want you but don't need you". É assim que ela é. É por isso que ele a adora. A música chama-se Miss Independent. Diz tudo. E, percebi também que tenho apoiado o meu bem estar nos outros e, por isso, a coisa não tem andado, ponto. Tenho que ser uma Miss Independent, não na carteira mas por trás da mama esquerda. Não lhe queria chamar "Felicidade" porque soa a brega/correntes de Hi5/pãozinho-sem-sal-style, por isso vou chamá-la de sede. Sede de andar por cá. Tenho que conseguir equilibrá-la sozinha e se a periferia quiser fazer parte, óptimo. Mas se procurar isso nos outros, pouf! Posso ter momentos bons mas o vazio está cá na mesma. Hoje dei por mim a pensar de como preciso de tirar férias de pessoas. Acho que estou cansada de falar. Os meu olhos estão cansados de olhar para todas elas e pensar coisas sobre elas. Andam gordos por isso. E cada vez mais, gosto do sossego do final da tarde. Tenho tempo para falar comigo, sem abrir a boca e cansar os olhos. É tão bom. Consigo definir bem as coisas que aumentam a sede de andar por cá. Vou tentar convidar a Miss Independent a ver a vidinha a acontecer, e depois, depois, falamos...

domingo, 19 de outubro de 2008

E cenas...

Se pudesse pontuar este fim de semana, dava-lhe 0 pelo divertimento e 19 pelos instantes promissores. Muito se falou e nada se disse. Falei e ri-me porque teve de ser. Houve um que subiu para o banco e abanou o rabo à minha frente. Outra que disse que estava louca de amor. Outro que me quis embebedar e eu não conseguiu. Outro que me perguntou qual o carro que queria. Outra que fumou ganza à minha porta e fez a minha mãe perguntar como é que eu sabia que o cheiro é ganza. Resposta: Eu saio à noite. Não estou a fazer dieta de álcool como a Joana, estou só a dar um tempo. O que gostei mais de ouvir foi: "temos de combinar um cafézinho" seguido de um riso maroto. Quem me dera que tivesse dito isto há 2 anos atrás. Mas é bom pensar que não é preciso dizer "Ó tempo volta para trás", o tempo pode andar, e rápido, que é para o cafézinho não arrefecer. É a vidinha a acontecer...

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Morrer lentamente

Li e gostei de saber que não estou a morrer lentamente...
Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece. Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru. Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos. Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos. Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo. Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar. Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante. Morre lentamente, quem abandona um projecto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade. (Pablo de Neruda)

domingo, 5 de outubro de 2008

Coisa(s) boa(s)..

Tou bem, estou muito bem. Tenho o corpo agitado e a alma calma. Tornei-me numa bailaholic. Só quero dançar. No espaço de uma semana fui da salsa, ao pop style, passando pelo yoga e fui até à dança do ventre. A última ganhou, foi a que conquistou a minha anca. Durante os próximos tempos, vou endurecer nas máquinas e dominar as minhas curvas nas aulas. Gosto! Sobretudo porque, saio de lá e, sinto-me a mulher mais rija do mundo. Às vezes também me sinto bonita se as olheiras não forem muito grandes. Disseram-me hoje: O que gosto mais em ti são as pestanas, gosto de mulheres que tratam das pestanas. Pergunto eu: como se trata das pestanas? Vaselina?Acho que queria dizer sobrancelhas. Ahah. Até agora o elogio mais castiço que me fizeram foi: tens os olhos gordos! Sinto que vem por aí coisas boas. Hoje andei a limpar a casa para as receber. Nunca se sabe se as coisas boas batem literalmente à porta. É a vidinha a acontecer...e eu a ver...com os meus olhos gordos..

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

O meu brinquedo

Deram-me um brinquedo com o qual não sei brincar. Quem deu e porque deu, não sei bem. É um daqueles brinquedos que tem muitos botões e as instruções não são claras. Mexo só em alguns botões para não estragar. É preferível ter pouco do que, mexer demais, e estragar. No fundo, esse brinquedo não é bem meu, é emprestado. Não o tenho mas ando a administrá-lo. Quando tenho tempo para brincar com ele, fico bem, feliz. Às vezes, também me chateia porque não consigo passar de nível. Quando penso que estou a chegar ao fim da corrida, espeto-me e, lá tenho eu de começar pelo princípio outra vez. Descobri que tenho mais paciência do que pensava. Cheira-me que, se encontro um mais fácil, vou ter de trocar. O que me alimenta a personalidade, já não me alimenta a alma..é a vidinha a acontecer..

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Heaven sent things

Tenho coisas novas. Tenho um pingo no nariz. A Joana quer que eu tenha o Joãozinho no centro da minha vida. A única coisa que posso fazer é, pôr uma foto lá em casa, para quando ela for lá. Tá prometido. João estou farta de ti. Tenho uma planta ( e não um joãozinho) lá em casa que se espreguiça. Tem personalidade e sabe parecer contente. Que giro, eu também sei fazer isto muito bem, só não levanto os braços. Quando chego, ela está a dormir e com o vento das minhas passagens, fica histérica e, assusta-me porque começa a crescer. Tenho a sensação que me quer abraçar. Abraços...gosto! Vão-me mandar para Liverpool. Tenho vontade de viajar. Tenho vontade de ser feliz sozinha e de vez em quando, só de vez em quando, deixar que alguém me faça feliz. Já não tenho o namorado da rádio, o Verão acabou. E, vou-me despedir daquele que nunca foi meu namorado. Todos os dias acaba e começa no dia seguinte. Vou começar a cozinhar muito e a comer pouco. Quero que a minha cozinha tresande a gourmet. Decidi fazer coisas que as pessoas normais fazem para ver como é. Joguei no euromilhões, levantei-me logo quando o despertador tocou e fiz tudo bem. Normalmente faço tudo a correr. Agora não faço tudo, faço o que dá e, de preferência, devagarinho. É para não fartar. Tenho aproveitado tanto as coisas que me farto rápido. Disseram-me que estava a crescer e, também me disseram, estás na mesma. Não sei em quem devo acreditar. É a vidinha a acontecer e eu a ver..

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Gosto!

`As vezes os artistas demoram a bater. Esta s´´o me bateu hoje. E n~~ao, n~~ao ´´e triste. Este teclado hoje n~~ao me deixa p^^or acentos por cima..sai tudo ao lado. O paulo diz que o teclado est´´a fodido. ahaha N~~ao consigo escrever..


Rita Redshoes - Dream on girl



Come back to see the day
You lost your heart and all your hopes
I'll take you to see the sunrise
And try to catch your ghost, oh

Isto claro, se tu n~~ao ficares ai a ver a vidinha a acontecer e me deixares ;)

terça-feira, 23 de setembro de 2008

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Chama-se encaixe

Chama-se encaixe. E ao pequeno almoço, decobri que, a minha amiga que tem sempre uma amiga que qualquer coisa, descobriu o encaixe. Toda a gente o encontra mais cedo ou mais tarde. Começámos a falar. As pessoas são diferentes mas a essência das coisas resume-se a uma palavra: encaixe. Há pessoas que encaixam contigo na horizontal, na vertical e, até quando não estão juntas, o pensamento encaixa. Assim de repente, parece que sabe o que tu queres, dança a mesma dança que tu e sabe dos teus defeitos. Goza com eles mas não te critica. Não te pergunta se estás bem porque estás calada, porque percebe que queres estar calada. Mesmo que só haja silêncio, os dois silêncios encaixam. Faz as coisas no mesmo ritmo que tu, diz as coisas no mesmo tom, estás a ouví-la e só te apetece dizer eu também..eu também acho..eu também sou assim. O cheiro é bom, o corpo adapta-se bem ao teu e juntos fazem uma dupla esteticamente e espiritualmente perfeita. Tem sempre um sorriso no momento certo, e não está sempre lá. Sabe quando retirar-se e sabe fazer-te sentir saudades. Não é previsível e não te garante que estará lá sempre mas, quando volta, dá-te a sensação que sempre esteve. É a vidinha a acontecer e eu gosto!

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Neo-monogamia

Neo-monogamia. É o que está a dar. É um termo novo e foi publicado na New York Magazine num artigo sobre os casamentos actuais que tendem a ser cada vez mais espaçosos. Cabe mais gente. Basicamente o casal estabelece determinadas condições de liberdade sexual, que podem ir do beijinho ao horizontal. E pronto..é uma forma consentida de se experimentar a novidade mantendo sempre aquele lugar cativo. Tenho um anjo na cabeça e um diabo no corpo. A minha cabeça não aceita e o diabo diz: porque não? Já experimentei ser infiel. Já fui infiel, já ajudei alguém a ser infiel e alguém já ajudou alguém a ser-me infiel. A única diferença é que não era casada. Estava só a ver a vidinha a acontecer. Sempre disse que iria aproveitar muito muito até aquela decisão que me iria conduzir à fidelidade. Não tenho bons exemplos à minha volta. Não sei se a minha cabeça é assim tão moderna. O meu corpo é. Vou ver a vidinha a acontecer e depois logo se vê o que acontece..

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Cansei de ser analógica

Antes fazia tudo à mão. Agora só às vezes. Comprei coisas que fazem as coisas por mim. Tenho um esquentador superdotado que não aquece, ferve a água. Tá decidido! Vou abrir uma casa de chá no meu wc pini-pon. Tenho uma torradeira horizontal. E tenho uma cama que fica na vertical. O mundo digital parece ser todo ao contrário...gosto! Eu também sou assim ou, pelo menos, o meu pai está sempre a dizer que sim. Tenho um microondas que faz batatas fritas (ainda não experimentei) e uma chave para a empregada que não tenho. Diz que é para ela não ir lá nas férias. Descobri também que gosto mais de ver televisão do que pensava. Agora digitalmente é a minha zon, grava tudo tão bem. Antes tinha uma na sala. Agora tenho uma no quarto e outra na sala e continua a ser só uma. É bissexual, dá para os dois lados. E uso o temporizador para não adormecer sozinha ou a dois. Também tenho um novo amigo digital..daqueles que estão mesmo longe, à séria e, gostava que tivesse cá para beber um chá das 5, mas isso só mesmo pelo msn às 7 da manhã. Lá está...é sempre tudo ao contrário. Gosta de animais selvagens. Acho que vou deixar de falar com ele. Decidi deixar de ser.
Ainda assim, deixar de ser analógica custa dinheiro, é bué-da-caro e, por isso ,decidi mudar de PC analogicamente. Vou comprar papel autocolante branco/envernizado e forrá-lo. Se olhares de repente vai parecer um Macbook. É a vidinha a acontecer..

domingo, 14 de setembro de 2008

Intro

Outro dia decidi que o último verão deste ano ia acabar quando caissem os primeiros pingos do céu para lavar todas as coisas doidas que se fez. Foi um Verão alimentado por aquela frase acolhedora que desculpa tudo: troca-se o mal que faz pelo bem que sabe. E o último verão soube muito bem. Já mais para o final concretizámos fins. Fomos dos 8 aos 8o..ou dos 21 ao 30 e muitos. Provou-se o verde e o maduro e às vezes saboreava-se o habitual..aquele vinho que não tem cor e que é sempre o melhor de todos. Que giro..está tudo a mudar..o sítio onde se mora é diferente..os sítios que se frequentam são diferentes e até os novos amigos são diferentes..muito mais novos ou muito mais velhos..gostei! Tirei férias do trabalho mas as férias estão a ser muito exigentes..muita gente e muito sítio novo para conhecer..gostei! O pior é que já cairam os primeiros pingos e o último verão não parece querer acabar..ou pelo menos eu não quero. Ouvi ,pela segunda vez, dois conselhos e acho que, desta vez, aprendi: começa a relativizar as coisas e aproveita o momento e não a vida toda de uma vez..já experimentei..gostei! É a vidinha a acontecer..

p.s Vou arrancar as folhas do livro O segredo e enfiar para lá tudo..mesmo!